segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Sua hora chegou. Feliz Ano Novo!

Outro Ano. Renove a sua Esperança!
Foto by Lila Rosana
 
Estamos nos despedindo de mais um ano em nossas vidas e 2012 ficará para a história pessoal de cada um de nós. Quantas vivências, quantas experiências elaboradas ou não, mas cheias de significados.
 
Sobrevivemos, e agora?
 
Sobrevivemos a uma previsão de um fim absoluto do nosso reinado e estamos aqui para contar a história. Cá estamos para recriar a vida, para dar novo significado as coisas ao nosso redor, para olhar para as pessoas com um olhar menos exigente, estamos aqui para fazermos novos planos ou mesmo apenas para tentarmos cumprir os velhos. Mas sugiro que antes de olharmos para o futuro e de fazermos novos planos, possamos dedicar algum tempo para avaliar as oportunidades que tivemos e que deixamos passar, vamos olhar para as pessoas que deixamos de amar, para os filhos que deixamos de beijar, para o lixo que deixamos de reciclar.
 
Novo ano. Nova chance!
 
A vida nos dá mais uma oportunidade de vivê-la e cabe a cada um de nós decidir o que fazer com esta nova chance. Não sou eu quem digo essa frase, mas todos nos sabemos que a “única certeza que temos é que um dia deixaremos de existir nesse corpo, nessa forma humana”, mas vivemos como se esse dia nunca fosse chegar. Okay! Não estou tentando trazer um olhar triste para este momento festivo, mas apenas tentando refletir com cada um de vocês que não é possível planejar um futuro feliz, sem termos noção do que nos deixou infelizes no passado. Sem ao menos entendermos que cada um de nós faz parte desse todo maior e que cada ação individual é refletida no todo, e que além de tudo não temos a eternidade para realizarmos o que desejamos. O momento é agora!
 
Exercício de TPT
 
Você está onde você está na vida por causa de uma série de circunstâncias e escolhas pessoais. Existe um trabalho na psicologia que chamamos de “Terapia de Perspectiva do Tempo (TPT). Com ele, tentamos olhar para o  nosso passado e tentamos ter consciência de como chegamos onde estamos.
Se você desejar fazer um exercício da TPT, sugiro que esteja em um local silencioso e possa estar sozinho. Quando você se sentir relaxado, pense sobre as coisas que aconteceram ao longo do ano passado - no que diz respeito a relacionamentos, trabalho, hobbies e prazeres. Lembre-se dos momentos negativos, bem como dos positivos. Tente não buscar soluções ou justificativas sobre o que aconteceu ou sobre o que você fez. O que aconteceu - aconteceu.  Se você machucou alguém, faça uma promessa a si mesmo para fazer as pazes o mais breve possível. Se você fez algo que lhe deixou orgulhoso de si, acolha esse gesto e dê brilho a sua auto-estima.
 
O que fazer com o passado?
 
Após ter olhado para o passado, espero que você tenha encontrado aspectos positivos que lhe aconteceram. Mas se você percebeu que não houve nada para se alegrar sobre, acredito que você esteja em uma fase difícil e que precisa tomar consciência de algo fundamental: Perceber que a sua vida não é controlada por destinos fora da sua capacidade de alterar, modificar ou interferir. Você está no controle da sua vida e você poderá criar uma realidade melhor, um futuro melhor.
Todos nós, por vezes, ficamos deprimidos o que é perfeitamente normal e aceitável, pois este estado emocional (quando não duradouro) nos leva a inúmeras e valiosas reflexões. Mas não devemos ficar presos na nossa “própria miséria”. Mudar o foco e tomar as rédeas das nossas vidas é fundamental. Esperar que o príncipe encantado venha lhe salvar, ou que  a mulher dos seus sonhos bata a sua porta e esteja pronta para lhe amar sem lhe causar nenhum incômodo, ou que o bilhete premiado caia aos seus pés e lhe torne um milionário, vai demandar mais tempo de espera inútil e, com isso anos e anos passarão sem que nada especial aconteça na sua vida. As coisas especias acontecem sim, e você precisa não apenas acreditar nelas, mas fazê-las acontecer.  
 
Faça pequenas coisas, mas faça algo!
 
Depois que você fez um balanço de todas as coisas que você tem tido na vida e de como está lidando com elas - como a família, os amigos, a saúde, um teto sobre sua cabeça, o que comer, um emprego, etc. Comece a pensar no que você deseja para o novo ano. Lembre-se: Se você quer que algo mude na sua vida, VOCÊ terá que fazer algo!
 
Se você pensou sobre o seu ano passado e refletiu sobre o seu ano futuro e mesmo assim não sabe por onde começar a fazer alguma coisa diferente, ou que fazer para que algo diferente aconteça na vida de outras pessoas, então sugiro algumas pequenas e simples atividades que podem mudar as coisas ao seu redor. Experimente, não lhe custará muito tempo.
 
Tente compartilhar experiências com outras pessoas:
 
* Dê um passeio e cante uma canção enquanto você faz isso,
* Jogue um jogo qualquer com a família,
* Diga a um amigo o quanto é grato pela amizade,
 
*Faça um exercício físico
 
* Faça carinho em um animal ou em uma criança
* Vá para a natureza e admire a sua beleza
* Faça a alguém um elogio justificável
* Cozinhe a sua comida favorita para alguém e acolha os elogios
* Conclua um projeto simples que você começou
Indo um pouco além
 
Depois que você conseguiu fazer as pequenas coisas acimas citadas, vamos tentar partir para planos um pouco mais elaborados. Quando fazemos planos para o ano novo, ganhamos um senso de controle sobre nossos pensamentos - e nosso futuro. Seu plano para o próximo ano não tem de ser detalhado, ele pode ser geral. Você poderá começar  com os planos para o próximo mês ou dois. Aqui estão alguns exemplos:

• Trabalhe no sentido de melhorar as habilidades de comunicação, tanto em casa e no trabalho

• Faça um plano para entrar em contato com aqueles amigos ou familiares que estiveram uma vez perto de você, mas que por qualquer motivo se afastaram

• Se você gosta ou se interessa por, inicie o cultivo de um jardim de ervas ou simplesmente plante algo – cuide de outra vida

• Faça planos para visitar museus e outros espaços culturais

• Trabalhar para melhorar a sua saúde física, mental e emocional
. Leia livros que você gosta e enriqueça a sua vida
 
Seu futuro será brilhante. Acredite!
 
Ter um plano, mesmo que incompleto, para o próximo ano vai lhe dar metas para trabalhar, e uma maneira de se sentir melhor sobre si mesmo e sobre a sua vida.
 
Se você continuar fazendo o que sempre fez, continuará obtendo o que sempre teve. Se os velhos hábitos não lhe agradam mais, então é a hora de fazer algo e mudar tudo isso.
 
O novo ano é a sua nova chance, não a desperdice!

Desejo à todos nós um feliz Ano Novo!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Pais separados e a época do Natal


Como pais separados ou que nunca viveram juntos, administram estar com os filhos na noite de Natal?
 
Há quem não goste do Natal, mas convenhamos, a data pode fazer alguns pequenos milagres internos, principalmente em relações que foram despedaçadas no passado.
 
Já ouvi bonitas histórias de como os pais colocam todos os seus conflitos pro lado e se juntam apenas para o dia de Natal, com o objectivo de promover às crianças um momento de união como "uma família" mesmo que por um tempo curto.
 
É claro que dependendo de como foi a separação, as feridas podem ser profundas e dolorosas demais para uma reencenação do que era ou do que poderia ter sido, então estes momentos juntos precisam ser evitados.
 
Muitas variáveis entram em jogo para casais separados que têm filhos - aqui estão algumas:
 Nunca viveram juntos - Pai / mãe por perto, mas não regularmente
• viveram juntos - agora estão separados
• viveram juntos - agora estão divorciados
• Casados e agora, separados
• Divorciados - um dos parceiros com novo companheiro(a)
• Divorciados - ambos com novos parceiros
Às vezes, as "regras" de como vai ser o Natal ou com quem ficam as crianças na data, são regidas pelas influências dos outros familiares - não é incomum ouvir as palavras abaixo e versões infinitas destas questões:
 
• "Os meus pais (avós das crianças) esperam o ano todo para ver os netos no dia de Natal, não podemos mudar isso"
• "Você não pode estar com as crianças mais tempo do que eu. Ano passado você ficou com eles no Natal”
• "Sempre fizemos de Natal desta forma, por isso temos de continuar a fazer a mesma coisa este ano"
• "Você tinha as crianças no ano passado, é a minha vez este ano"
• "Eu não quero vê-los no Natal, é muito doloroso"
• "Minha namorada / namorado quer viajar no Natal, por isso não vou estar por perto este ano"
• "Eu não quero que as crianças participem de festas de Natal"
 
O que realmente poderia ajudar a criar a paz e a boa vontade nesta época? Aqui estão algumas pequenas idéias que podem facilitar a vida:
 
Pensem nas crianças primeiro
Pode ser que para as crianças não seja a melhor alternativa ter os pais separados na mesma sala no Natal. Eles podem sentir que estão fazendo o jogo da "família feliz". Se eles tem idade suficiente para expressar as idéias e emoções, verifique com eles o que acham da idéia. Faça isso com cuidado, pois seu objetivo não é magoar os seus filhos diante de um tema tão sensível.
 
Pode ser que a ideia de “revezar os pais” no Natal seja a melhor escolha para eles. Já escutei de muitas crianças e adolescente sobre as preferências de passar a noite de Natal em um lugar e o dia 25 em outro.
 
Caso não seja possível para você ver seus filhos na noite de Natal, lembre-se que sempre existem alternativas para isso, como o telefone ou outros recursos similares. Deixar de manter contato nesta época pode magoá-los. Pode ser que a data não signifique nada para você, mas e para eles?
 
Evite deixar a decisão nas mãos dos filhos, eles pode opinar, dar ideias, mas não são eles quem decidem como administrar este momento. Pois em geral os filhos vão tender a escolher/decidir de acordo não com os seus desejos, mas na maioria dos casos, de acordo com quem poderia se machucar mais. Eles farão tudo para você não sofrer.
 
Planos
Faça planos com antecedência, para que todos possam se acostumar com a ideia.
 
Caso a sua solução seja uma viagem, tenha alternativas extras, pois imprevistos acontecem e não seria legal ficar sem nada interessante para fazer, caso uma viagem não aconteça.
 
Envolva as crianças nas escolhas, mas não nos seus problemas e preocupações.
 
Presentes
Se as crianças têm idade suficiente para fazer uma lista de desejos de Natal – seria ideal poder compartilhá-la com o pai/mãe que não mora com ela.
 
Tente não competir nos presentes.  Escolher o melhor presente que o seu ex-companheiro(a) não a tornará uma mãe/pai melhor.
 
Evite promessas que não possam ser cumpridas, pois a decepção é resultado das expectativas.
 
Se você não convive diariamente com as crianças, procure saber sobre o que elas já possuem e do que precisam. Evite excessos desnecessários.  E lembre-se sempre: Presente não substitui amor, afeto, presença e amizade.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Os filhos, o consumismo e os presentes de Natal

Foto by Maruska

O Natal já está batendo na nossa porta e traz consigo não apenas o espírito natalino, mas o espirito consumista, a velha e conhecida correria em busca dos presentes. Quanta propaganda destinada ao público jovem e aos adultos também. Vamos consumir!! É a mensagem oculta em todas.
 
Aproveitando o momento
 
Que tal aproveitarmos a data para trabalharmos com nossos filhos alguns conceitos de educação para o consumo, o dinheiro e administração financeira com os jovens?
Percebo que hoje em dia, o motivo do desconforto que atinge muitas famílias gira em torno da dúvida em relação aos valores dos presentes, da falta de recurso financeiro para atender ao pedido dos filhos e a arriscada decisão de encarar um endividamento.
 
Mudança de hábito 
 
O ideal seria fazer uma reserva financeira no decorrer do ano para a compra dos presentes de Natal, mas como esse hábito ainda não está consolidado entre nós, ou não temos condições de guardar um dinheiro para esse fim, outras atitudes podem ser tomadas para minimizar possíveis descontentamentos, principalmente por parte das crianças e jovens.
 
Dica dos especialistas 
 
Especialistas aconselham o envolvimento das crianças em torno das festividades do final de ano. Reunir a família para decidir sobre a decoração da casa, da compra dos enfeites, da reciclagem de objetos natalinos e dos itens da ceia são ótimas oportunidades de aprendizagem financeira. Aspectos como planejamento, opções de compra e negociação de preço são trabalhados nesse momento através de papos prazerosos e divertidos.
 
O psicólogo da USP Yves de La Taille alerta sobre a existência de um verdadeiro “exército simbólico” que adentra as defesas psíquicas ainda frágeis das crianças para convencê-las a comprar isto e aquilo. Vemos sinais disso nas influências que as celebridades têm sobre esse público, nos filmes, seriados e nos comerciais de TV . Os adultos atentos e presentes na vida dos filhos são capazes de direcionar as melhores opções escolhendo alguns presentes com melhor custo/benefício.
 
Negociando os presentes
 
Os presentes de Natal também podem e devem ser negociados com as crianças. Uma alternativa, principalmente para crianças maiores de 6 anos, é a lista de desejos, onde elas escrevem o que querem ganhar. Com essa lista e a ajuda dos pais é possível escolher as melhores alternativas. 
 
Os pais precisam ter em mente a necessidade de partilhar com os filhos alegrias e dificuldades. É necessário ter coerência e os presentes precisam estar de acordo com a situação financeira da família - por isso a negociação é tão importante para evitar frustrações.
 
Mesmo quando o problema não é o dinheiro limitado, é importante e altamente educativo conversar com os filhos sobre seus desejos e necessidades. Em ambas as situações os pais estarão ensinando valores imprescindíveis para a formação de um consumidor consciente e de um adulto que não cairá facilmente nas armadilhas de um consumo vazio e vicioso.
 
Vejamos o caso dos celulares, item muito desejado pelas crianças e adolescentes. A negociação gira em torno dos modelos, marcas, dos aplicativos, cores, operadoras com melhores ofertas. Afinal, podemos encontrar modelos similares com variações de preço significativas.
 
Importante: Todos os momentos sugeridos devem ser realizados em um clima descontraído e com diálogos adequados a cada faixa etária. Imprescindível é manter o clima de surpresa até o início das Festas.
Natal é um momento para estarmos juntos das pessoas que amamos e celebrarmos a Vida. Trocar presentes faz parte dessa data e é um dos momentos mais esperados pelas crianças, mas sempre é bom lembrar as palavras da escritora Ruth Ann Schabaker: "Cada dia chega trazendo seus próprios presentes. Desamarre as fitas".
 
Grande abraço!